Modernos coquetéis clássicos

Seja no prato, seja no copo. Um clássico só ganha essa nomeação por ter resistido ao tempo seguindo a mesma receita – e agradando a muitos paladares, vale lembrar.

Na coquetelaria, os clássicos ajudaram a estabelecer estilos, criaram escolas, determinaram o gosto de bebedores por todo o mundo. Mas de vez em quando, a gente se pergunta: e se... E  daí abrimos a criatividade para pensar como esses clássicos seriam se acrescentássemos isso, se implementássemos aquilo.
 
No Astor, criamos uma carta de clássicos com um twist, ou seja, uma leve “licença poética”, por assim dizer, de alguns dos mais tradicionais coquetéis, feito pelo nosso grande bartender Rogério Frajola. Tem Espresso Martini, tem Tom Collins, tem Margarita...mas tudo em versões “astorizadas”.
 
A Remolacha Margarita, a nossa versão mais modernista da Margarita, é feita com tequila com infusão de beterraba, limão taiti e xarope de hibisco. Pro daiquiri, Frajola decidiu incluir um pouco de Cynar, um tanto de xarope de côco com angostura e criar uma versão do drink, que, bonzinhos que somos, passamos a receita abaixo.
 
Mas também dá pra chegar no Astor e pedir logo o seu.

ASTOR DAIQUIRI
 
50ml rum
15ml suco limão taiti
>15ml suco grapefruit (para dar ainda mais aromas)
>15ml Cynar (por que não um pouco de amargor?)
>15ml xarope de côco com angostura (no lugar do xarope simples, açúcar + água)
 
Método: batido
Copo: Taça coupette
Decoração: folha de limão

Taciana Vieira Kolisch